My Dear friends

This site not work anymore .I have a new site and you can go there visit me. I dont go put more post here anymore ... If you like this blog go there .. I will be there for you ... Olá meus queridos amigos ... agora tenho um novo blog Este site nao funcionará mais , tive alguns problemas. Agora tenho um novo endereco de blog. Nao irei mais colocar post neste blog .. Todas as atualizacoes e novidades estarao no outro endereco .. Acessem... estarei lá pra vcssss Se vcs gostaram desse blog irao amar o outro .. mais atualizado e lindo ... Vamos láaaa .... visitem-me lá .. Beijinhos Lili

Tank for everything !!!

melldesofia.blogspot.com

terça-feira, 2 de março de 2010

A INSEGURANÇA AFASTA QUEM VOCÊ AMA

A INSEGURANÇA AFASTA QUEM VOCÊ AMA


Por Luciene Correia


Você e seu namorado se encontraram, beijos, juras de amor eterno, nenhum motivo para qualquer desconfiança. O sentimento dele parece ser sincero. Estão juntos há mais de 3 anos e discutem às vezes, mas nada sério. As razões são sempre coisas bobas. O relacionamento é de harmonia, companheirismo, paixão mesmo!

Mas, de uns tempos pra cá, você tem uma necessidade incontrolável de ligar para a casa dele logo depois do horário que ele chegaria. Dá uma desculpa qualquer, diz que não acha a blusa e acha que ficou no carro. Pede para que ele vá checar. Porém, você sabe que você queria saber mesmo era se ele estava em casa.

A chegada do celular foi ótima para você ter, mas ‘se eu ligar para o celular dele, não dá para eu saber onde e nem com quem ele está. Assim, não vale!’

Um dia, ele te deixou em casa e quando você percebeu que já tinham se passado 43 minutos – tempo para ele chegar e colocar o carro na garagem – ligou e o telefone só tocava. Daí em diante, você pegou o telefone, pôs no colo e, de 10 em 10, de 5 em 5 minutos ligava. O espaço entre uma ligação e outra diminuía cada vez mais. O desespero já tomava conta de você.

Quando, por fim, 1 hora e 32 minutos depois, ele atendeu. Você chorando, despejou uma batelada de perguntas sobre onde, quando, por que, com quem… e ele sem entender o porquê de tanto drama, apenas disse: ‘lembra que eu disse que a gasolina estava na reserva? Pois é, acabou no caminho e tive que caminhar até um posto para comprar e voltar a pé para o carro…’

No fundo você até entende e acredita, mas não consegue evitar e começa: ‘mentira sua, conta outra, até parece que foi isso, fala logo que você estava na casa da outra, quem é ela, é mais bonita que eu? Mais gostosa?…

Ele, do outro lado diz que está cansado e que no dia seguinte vocês conversariam melhor. Mas, a noite seria longa, lágrimas, raiva e até dor por ‘saber’ que estava sendo enganada.

Esta sensação de estar sob ameaça constante se chama insegurança. Esse é um perigo real. A insegurança emocional nem sempre reflete a realidade.

Ela se caracteriza por um sentimento de inferioridade, de quem não se acha digna de ser amada, de que não é possível que alguém ame uma pessoa tão comum e sem atrativos.

A pessoa insegura pensa que certamente surgirá alguém melhor do que ela para o seu parceiro. Ou, que talvez já exista, tentando roubá-lo de si.

”Por não acreditar em si mesma, a insegura tem a impressão de que, a qualquer momento, perderá o ser amado. A insegurança feminina tem origem no medo de não ser amada e pode afetar tragicamente a sua estrutura emocional. Por não se achar digna de amor, a mulher pode fazer tudo para conquistar pequenas provas de afeição e se transformar numa escrava.

Só que homem nenhum ama uma escrava, apenas a escraviza. Ela vai gastar todas as suas energias fazendo sacrifícios e as provas de amor não virão a contento. A mulher insegura põe em dúvida até a sua condição feminina. Pode achar o fato de ser mulher uma desvantagem e, assim, viver desconfortavelmente neste sexo. Vai tentar agir com a coragem dos homens, embora seja uma mulher frágil, insegura e carente. Não vai convencer nem a si mesma, muito menos ao seu objeto amoroso”.

A pessoa insegura deve tentar conter esses impulsos infantis, senão ficará cada vez mais abandonado, porque, sem limites, a convivência com o parceiro se tornará, aos poucos, insuportável. E se não resultar em separação, será sem dúvida um cotidiano de muito sofrimento.

Você tem medo, muito antes do horário combinado, de que aquele telefonema não chegue?

Acha que há muita gente mais interessante do que você e o(a) parceiro(a) facilmente perceberá isso?

No seu trabalho, qualquer um poderia fazer melhor do que você faz?

Você se irrita quando seu(sua) parceiro(a) faz algo de muito extraordinário e você se sente inferior?

Tem medo de ficar sozinho(a)? Sente que algo de ruim pode acontecer a qualquer momento?

Se você respondeu sim à maioria dessas questões, você é uma pessoa emocionalmente insegura. É bom começar a pensar em como ganhar um pouco mais de segurança, determinação e auto-estima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha lista de blogs